Tragédia climática no Rio Grande do Sul provocou prejuízo de R$ 1,33 bi no turismo em maio

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) revisou para cima suas projeções para 2024, estimando um aumento de 2,2% nos serviços e de 2,7% no turismo. Em abril deste ano, o volume de receitas do setor de serviços avançou 0,5% em relação ao mês anterior, conforme a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada hoje (12 de junho) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Embora inferior ao crescimento de 0,7%, registrado em março, esse resultado representa a quinta alta mensal dos últimos seis meses. Comparado com abril do ano anterior, o aumento de 5,6% foi o maior desde 2021 (quando a alta foi de 20,1%), ampliando o volume de receitas do setor de serviços para 21,3% acima do nível pré-pandemia.

Atividades ligadas ao transporte, especialmente o aéreo, impulsionaram o crescimento, com uma receita real das empresas de transporte aéreo subindo 18,2% em abril. A queda significativa dos preços das passagens aéreas, que acumularam retração de 39,5% nos primeiros quatro meses do ano, contribuiu para essa alta.

No entanto, houve queda do volume dos serviços prestados às famílias (redução de 1,8%) e dos de alojamento e alimentação (diminuição de 2,3%), o que contrabalançou o desempenho positivo do setor terciário. Já o recuo no preço das passagens aéreas também favoreceu o Índice de Atividade Turística, que subiu 2,3% em relação a março, o segundo avanço consecutivo e uma alta de 4,5% em comparação ao mesmo mês de 2023. Atualmente, o nível de atividade do turismo brasileiro está 4,7% acima do nível pré-pandemia.

No acumulado de 12 meses até abril, a inflação de serviços ficou em 4,6%, acima do IPCA geral, que é de 3,7%, mas mostra uma desaceleração comparada aos 7,5% observados até abril de 2023. “A tendência de flexibilização da política monetária e a trajetória declinante dos juros contribuem para revisões positivas das expectativas de crescimento para 2024”, afirma o presidente da CNC, José Roberto Tadros. “No entanto, é importante destacar que o cenário ainda é marcado por incertezas, principalmente no que diz respeito à trajetória da taxa Selic. Com a manutenção de um ambiente macroeconômico estável e favorável ao investimento, o setor de serviços pode continuar crescendo e contribuindo para a retomada da economia brasileira”, acrescenta Tadros.

Rio Grande do Sul: prejuízo de R$ 1,33 bilhão no turismo

Apesar dos resultados positivos, a tragédia climática no Rio Grande do Sul pode desacelerar a expansão do turismo nacional em maio. A CNC estima uma perda diária de receitas no turismo gaúcho de R$ 49,2 milhões, totalizando R$ 1,33 bilhão no mês, o que corresponde a cerca de 56,5% da receita mensal prevista. A proximidade da alta temporada pode agravar essas perdas, já que, historicamente, as receitas do setor crescem, em média, 13% em relação à baixa temporada. Em 2023, o volume de receitas do turismo gaúcho foi de R$ 28,9 bilhões, representando 6% do total do País.

“A tendência é que, às vésperas da alta temporada de inverno, que é importante na Região Sul, o setor registre perdas em relação ao ano passado”, explica o economista da CNC responsável pelas estimativas, Fabio Bentes. A infraestrutura de transporte no Rio Grande do Sul foi severamente afetada e prejudicou o fluxo de viajantes, especialmente pelo fechamento do Aeroporto Internacional Salgado Filho, responsável por 91% do fluxo de passageiros nos aeroportos do Estado.

O Ministério de Portos e Aeroportos autorizou o uso da Base Aérea de Canoas como alternativa, com 35 voos semanais, equivalentes a pouco mais de 10% da capacidade operacional do aeroporto principal. Por terra, o fretamento turístico também sofreu redução significativa em maio, com queda de 39% na quantidade de passageiros transportados com destino ao Rio Grande do Sul, conforme dados da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Confira a análise completa e os vídeos do economista Fabio Bentes 

The post PMS: CNC projeta crescimento de 2,2% nos serviços e 2,7% no turismo em 2024 first appeared on Portal do Comércio.

Faça seu comentário

Comments are disabled.